Por que as mulheres de meia-idade ganham mais gordura na barriga? – Her Beauty

Por que as mulheres de meia-idade ganham mais gordura na barriga?

Advertisements

Conforme envelhecemos, é normal que o nosso corpo passe por diversas alterações, e no caso das mulheres não é diferente. Com o passar do tempo, se torna comum um acúmulo maior de gordura na região abdominal, o que aterroriza uma parcela da população feminina. 

Em grande parte dos casos, isso ocorre com a chegada da meia-idade (entre os 45 e 59 anos, segundo a Organização Mundial de Saúde), quando alguns hormônios femininos acabam influenciando o armazenamento de gordura na região. 

Uma redução na produção de estrogênio, associada a uma diminuição no metabolismo conforme as pessoas envelhecem, dificultam a perda da gordura abdominal. Abaixo, veja alguns fatores que podem influenciar o acúmulo da gordura abdominal em mulheres de meia-idade.

1. Alterações hormonais

Como dissemos, a queda acentuada na produção de estrogênio tende a ser um dos principais fatores do aumento da barriguinha. É sabido que, durante a idade reprodutiva da mulher, o estrogênio colabora para uma melhor distribuição da gordura corporal, fazendo com que ela se localize nas mamas, coxas, glúteos e pélvis. Contudo, com o avançar da idade e a redução do estrogênio, a gordura, que era anteriormente distribuída para diversas partes do corpo, acaba sendo direcionada mais para a cintura. 

2. Sedentarismo

Apesar dos fatores hormonais serem importantes, um estilo de vida sedentário colabora para o aumento progressivo da gordura em pessoas de praticamente qualquer idade. A falta de atividade física em qualquer pessoa faz com que ela tenha uma redução no seu gasto calórico, e caso essa postura perdure ao longo do tempo, a tendência é de que o excedente da ingesta calórica seja acumulado em forma de gordura. 

3. Falta de exercícios físicos

Ligada diretamente ao sedentarismo, a falta de atividade física também contribui para a redução da massa muscular do indivíduo. Com um percentual de massa muscular menor, a tendência é de que a pessoa gaste menos calorias, já que diferentemente do tecido adiposo, o tecido muscular necessita de muita energia para se manter ativo e saudável. 

Assim sendo, realizar atividades físicas regularmente é uma excelente alternativa para manter e aumentar seu percentual de massa muscular, o que consequentemente ajuda a elevar o seu gasto calórico diário e se manter em forma. 

4. Alimentação inadequada

Loading...

Hábitos alimentares pouco saudáveis estão entre os principais fatores que contribuem para o aumento da gordura na região abdominal das mulheres. Alimentos ultraprocessados, ricos em açúcar e em gordura trans são verdadeiros vilões de uma boa nutrição, já que além de conterem elementos pouco nutritivos, geralmente são muito calóricos. 

Dessa forma, evitar o consumo excessivo de refrigerantes, sorvetes, biscoitos recheados, frituras, salgadinhos, entre outros, é uma boa alternativa para se manter em forma. É importante priorizar o consumo de alimentos ricos em vitaminas e minerais, proteínas, gorduras saudáveis e carboidratos complexos. Alguns exemplos são peixes, ovos, brócolis, castanhas, batata doce, aveia, abacate, entre outros.

5. Sono insuficiente

Ter poucas horas de sono ou horas de um sono conturbado é outro fator que afeta diretamente a atuação de hormônios que ajudam a regular o peso. A falta de sono tende a reduzir os níveis de leptina, um dos hormônios responsáveis pela sua saciedade. Além disso, essa atitude eleva os níveis de grelina, um hormônio que estimula a sensação de fome.

Como consequência, a privação de sono e a decorrente desregulação dos hormônios citados podem reduzir o gasto energético do indivíduo, elevando ainda a tendência de consumo de alimentos com densidade calórica elevada, o que resultará num aumento de peso. Para tentar reverter esse cenário, é importante ter um sono de qualidade e suficiente para reparar as energias gastas ao longo do dia. 

6. Estresse

O estresse excessivo é péssimo para a perda de peso em qualquer idade, já que o aumento do cortisol eleva as taxas de liberação de adrenalina que, por sua vez, aumenta a quantidade de açúcar circulante na corrente sanguínea. Esses fatores desencadearão uma maior atuação da insulina, que fará com que as moléculas de glicose sejam captadas com maior velocidade pelas células. 

Por esse motivo, a tendência é que a pessoa acabe sentindo fome e procure alimentos mais calóricos, que poderão ocasionar o aumento da gordura corporal. Assim, a melhor alternativa é encontrar opções que lhe ajudem a controlar o estresse, como manter seus hobbies em dia, se exercitar, passar tempo com amigos ou ouvir música, por exemplo.

Advertisements